• Home
  • Destaques
  • Cooperativas pedem incentivos do governo para aumentar produtividade de fibras no Amazonas

Cooperativas pedem incentivos do governo para aumentar produtividade de fibras no Amazonas

IMG_5058

Julticultores apelam ao governo por incentivo para salvar o setor (Foto: Eliezer Favacho/Coopcom)

“Com um déficit em torno de 9.200 toneladas para atender as necessidades das indústrias de tecelagem no Amazonas, a cadeia produtiva de fibras vegetais passa por grandes dificuldades no município de Manacapuru, correndo o risco até mesmo de acabar, como já aconteceu em anos anteriores”. Esta é a análise de Verônica Mesquita, presidente da Cooperativa dos Juticultores do Amazonas (Cooperjuta).

A presidente declarou que o setor enfrenta dificuldades por falta de recursos para investir no plantio, e principalmente pelo Poder Público não oferecer incentivo para viabilizar o crescimento da produção na região. Segundo Verônica Mesquita, toda a produção do Amazonas em 2014 foi de 1.200 toneladas. “A pesar de todas as dificuldades, a Cooperjuta produziu 900 toneladas de fibras, gerando um faturamento de R$ 1.2 milhões a ser distribuídos entre os cooperados”, disse a presidente.

Verônica acrescentou que, além das dificuldades enfrentadas pelos produtores locais, o setor sofre ainda com a concorrência do produto importado da Ásia. Na opinião da presidente, o governo deveria se posicionar em defesa da cadeia produtiva amazonense, para tentar solucionar o mais rapidamente possível este problema que afeta milhares de famílias que dependem da fibra no Amazonas.

Verônica disse que o quilo da fibra de juta importada chega aos galpões das indústrias do Amazonas por R$ 2,80, enquanto que a produzida em Manacapuru é entregue aos clientes por R$ 3,10, isso já incluídas as despesas com certificação e logística no valor do produto. Para a presidente, só é possível a fibra importada chegar com este valor ao mercado brasileiro devido á mão de obra asiática, que é muito inferior á praticada no Brasil.

Verônica disse ainda que, a cada ano, devido as frequentes enchentes dos rios, acima do que os produtores estão acostumados, e o curto ciclo produtivo, os juticultores perdem grande parte de sua produção, os deixando sem recurso para iniciar a safra do ano seguinte, com isso, contribuindo bastante para a redução dos plantios nas áreas de terras mais baixas localizadas às margens dos rios.

“O interesse dos juticultores é permanecer nos locais onde produzem, porém devido ás dificuldades enfrentadas, eles estão procurando outros meios de sobrevivência, e o que lhes restam é arriscar a vida na cidade. Este ano as dificuldades aumentaram, estamos esperando a distribuição de sementes vindas do governo, pois não tivemos condições de adquiri-las com nossos próprios recursos, isso torna ainda mais difícil o plantio” finalizou a presidente.

Texto: Eliezer Favacho/Coopcom – Cooperativa de Comunicação do Amazonas

Fonte: Cooperjuta